sábado, 9 de maio de 2015

Resenha: Reviving Izabel

.
''Na Minha Estante'' Assegura: A resenha a seguir está completamente livre de Spoilers... Leia sem Moderação e divirta-se!
.
Sinopse:
.
Determinada a viver uma vida sombria na companhia do assassino que a libertou da escravidão, Sarai pretende ajustar sozinha as contas com um sádico do mal. Não qualificada e inexperiente na arte de matar, os eventos que se desenrolam a deixam pendurada precariamente à beira da morte, quando nada sai como planejado. As escolhas imprudentes de Sarai a enviam em um caminho que ela sabe que nunca poderá voltar atrás e assim ela se apresenta a Victor com um ultimato: ajudá-la a tornar-se mais parecida com ele e dar-lhe uma chance de lutar, ou ela fará isso sozinha, não importa as consequências. 
.
Sabendo que Sarai não pode se tornar o que ela quer de um dia para o outro, Victor começa a treiná-la e, inevitavelmente, a relação complicada deles esquenta. Enquanto o braço direito de Arthur Hamburgo, Willem Stephens, se aproxima em sua cruzada para destruir Sarai, ela fica com a esmagadora percepção que pode ter abocanhado mais do que pode mastigar. Mas Sarai, assumindo o novo e melhorado papel de Izabel Seyfried, ainda tem um conjunto de habilidades mortais próprias que irão provar ser tudo o que ela precisa para garantir o seu lugar ao lado de Victor. Mas há mais um teste que ela deve enfrentar que tem o potencial de destruir tudo o que está trabalhando tão duro para conseguir. 
.
Um teste final que não só vai fazê-la questionar sua decisão de querer essa vida perigosa, mas fará com que questione tudo o que passou a confiar a respeito de Victor Faust.
.
O que eu achei?
.
Ler um livro enquanto se está em Ressaca Literária é algo muito difícil de se fazer. Mas, em alguns casos, mesmo sem estar com o mínimo de foco para a leitura, o esforço é bem vindo. Um bom exemplo disto foi "Reviving Izabel", de J.A. Redmerski - a sequência do alucinante "A Morte de Sarai", e segundo volume da série "Na Companhia de Assassinos". Já preparado para este novo ambiente - repleto de violência, crimes e vingança apresentado pela a autora - desta vez, todo o lado sujo e sombrio da história de Sarai (uma ex escrava sexual) e Victor (um assassino em fuga da própria ordem que o treinou).
.
Como era de se esperar, por culpa da minha situação problemática no momento, a leitura não foi tão voraz quanto a do primeiro. Mas isto não se deve em nenhuma característica do livro. Muito pelo contrário, uma coisa que posso garantir é que "Reviving Izabel" consegue ser tão frenético e cheio de reviravoltas quanto o seu antecessor. Por falar em reviravoltas, já preciso adiantar: Redmerski conseguiu se superar em uma das situações finais, no clímax do livro. Eu tinha uma leve desconfiança do que estava acontecendo (pois sou ultra fã de uma Graphic Novel, que eu tenho certeza que serviu como inspiração para este ponto do livro), mas mesmo assim, quando vemos tudo se desenrolar diante dos nossos olhos, é de tirar o fôlego.
.
Outro ponto bastante positivo com relação à este livro é a evolução dos personagens. Tanto Sarai quanto Victor não são mais as mesmas pessoas do primeiro capítulo de "A Morte de Sarai", devido a tudo o que os dois passaram no decorrer do volume anterior, mas - mesmo assim - nós conseguimos ver a tenacidade por detrás das ações dela e como ele (por mais mudado que esteja) ainda tem problemas por esconder os seus sentimentos por detrás de uma intransponível barreira de gelo. Outro personagem que ganha destaque neste volume é Fredrik, que já havia feito uma pequena participação no primeiro volume, mas - desta vez - tem um peso constante na trama (além de ser extremamente carismático e aterrorizante na mesma medida).
.
Meu único problema com ''Reviving Izabel'' se deve a um ponto, na metade do livro, onde parece que existe uma quebra no ritmo frenético do romance e tudo fica calmo demais (para os padrões da série ''Na Cia. de Assassinos''). Olhando em retrospecto, não posso dizer em momento algum que esta parte deveria estar fora do livro - pois era importante para e construção da nova vida de Sarai, e em como ela seria dali para o futuro. Mas, na minha leitura (e para a minha Ressaca Literária), infelizmente este ponto foi meio que uma... Barriga. Por assim dizer. Foi onde eu mais enrolei para continuar - e por culpa desta parte não li o livro mais rápido.
.
Entretanto, assim que avançamos deste determinado ponto da trama, tudo volta ao seus devidos eixos. e não consegui mais parar de ler o livro (mais uma vez). A J.A. Redmerski simplesmente tem este dom de nos ''obrigar'' a continuar a história até chegarmos ao ponto final, e com ''Reviving Izabel'' não foi diferente. Mesmo finalizando a história de Sarai e Victor já neste volume, estou bastante empolgado para saber o que vai acontecer a seguir com todos os outros personagens que nos são apresentados na história. Pelo o que sei, já foram publicados mais dois volumes da série (o próximo sendo protagonizado justamente por Fredrik), e mais um já está programado para ser lançado. Eu realmente não sei para onde a autora me levará a seguir, mesmo assim, não importa... Tenho certeza que será uma Montanha Russa emocional tão grande quanto ''A Morte de Sarai'' e ''Reviving Izabel''.
.
.
Sobra a autora:
.
J. A. Redmerski é a autora das séries Entre o Agora e o Nunca, Na Companhia de Assassinos, da trilogia Darkwoods e Dirty Eden. Ela é fã de lobisomens e zumbis, viciada em livros e obcecada pelo universo de The Walking Dead. Ela mora em North Little Rock, Arkansas, com seus três filhos e um maltês.
.
TÍTULO:  Reviving Izabel
SÉRIE: Na Companhia de Assassinos
PÁGINAS: 351
AUTOR(A):  J. A. Redmerski
EDITORA: CreateSpace
NOTA: 4 Estrelas

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...