segunda-feira, 23 de março de 2015

Resenha: Mentirosos

.
''Na Minha Estante'' Assegura: A resenha a seguir está completamente livre de Spoilers... Leia sem Moderação e divirta-se!
.
Sinopse:
.
Mentirosos - Os Sinclair são uma família rica e renomada, que se recusa a admitir que está em decadência e se agarra a todo custo às tradições. Assim, todo ano o patriarca, suas três filhas e seus respectivos filhos passam as férias de verão em sua ilha particular. Cadence - neta primogênita e principal herdeira -, seus primos Johnny e Mirren e o amigo Gat são inseparáveis desde pequenos, e juntos formam um grupo chamado Mentirosos.
.
Durante o verão de seus quinze anos, as férias idílicas de Cadence são interrompidas quando a garota sofre um estranho acidente. Ela passa os próximos dois anos em um período conturbado, com amnésia, depressão, fortes dores de cabeça e muitos analgésicos. Toda a família a trata com extremo cuidado e se recusa a dar mais detalhes sobre o ocorrido… até que Cadence finalmente volta à ilha para juntar as lembranças do que realmente aconteceu.
.
O que eu achei?
.
Eu não gosto de ser "o ranzinza". Sério mesmo. Mas algumas vezes, eu sinto que preciso ser... Pois não é possível! Afinal, quando você se depara com um livro como "Mentirosos", com o hype que ele recebeu no lançamento, os amores espalhados pela internet, e - acima de tudo - um prêmio Goodreads nas costas, você espera grandes coisas. Espera que a história, os personagens e tudo te marque. Espera que ele seja genial e simplesmente INCRÍVEL. Então, sim, a forma como me venderam ele influenciou bastante a minha leitura. Pois eu esperava algo espetacular. E, ao me deparar com o que o livro é de verdade, encontrei algo "legal". Mas nada além disto.
.
Tudo bem, começando deste jeito, parece que eu odiei o livro - e isto não é verdade. Eu consegui ver os pontos positivos dele. Por exemplo, a escrita da E. Lockhart. Ok, em alguns momentos, eu achei que ela estava tentando ser pretensiosamente poética (quando nem precisava ser), mas ela é fluída e simples e fácil - sem falar nos capítulos rápidos e cenas curtas, que possuem um papel importante no ritmo da leitura. Em um momento, estamos no começo do volume; quando menos percebemos, já estamos na metade, e muito do caminho já foi percorrido. E quem me dera se todos os livros pudessem ser assim. Outro fator importante, e que devo ressaltar como interessante, são os temas que ela se propõe (mesmo que superficialmente) a tratar, como: Racismo, classicismo, manipulação, deterioração de uma família em nome de uma herança (leia-se: Dinheiro, of course). Quando ela tocava nestes assuntos, tudo ficava mais interessante para mim. Uma pena que eles nunca foram o foco do livro.
.
E foi o foco do livro, o grande "mistério" vivido pela protagonista Candence - com sua súbita falta de memória acerca do que ela chama como "O Verão dos Quinze" - e que é vendido com tanta empolgação nas resenhas e comentários e etc, que foi o grande problema para mim.
.
Vejam bem, como já deixei claro para vocês, eu esperava grandes coisas de "Mentirosos". Esperava que este mistério fosse me arrebatar e me prender como parece que ele fez com cada leitor deste livro. Mas isto aconteceu? Não. Por qual razão? Pois o "mistério" não é original! Toda a forma como a autora construiu o seu enigma, os lapsos de memória, o clima de verão, as cenas um tanto quanto desconexas, os problemas da protagonista, TUDO - até o plotwist tão aclamado - me remeteu a um filme que assisti no ano passado (e que foi lançado em 2009, muitos anos antes de "Mentirosos" sequer pensar em existir). Eu saquei esta correlação desde a página 48 - o que, basicamente, é o início do livro - e só estava a espera da confirmação das minhas suspeitas... Que foram EXATAMENTE como eu supunha que seriam. Isto simplesmente matou a minha leitura, pois eu não ansiava por respostas, apenas por confirmações. E eu SÓ tive confirmações. Nada me surpreendeu.
.
Não vou dizer qual filme me fez ter este insight (praticamente certeiro, devo ressaltar), pois isto poderia ser considerado um spoiler - tamanha é a similaridade entre os dois. A única diferença é que "Mentirosos" é um jovem adulto e a película é um suspense/terror psicológico. Mas, como alguém disse no Goodreads: Esta não é a ideia mais original do mundo. É a ideia que o M. Night Shyamalan teria em uma noite de sexta-feira. E isto não poderia ser mais verdade!
.
Enfim, por este motivo, "Mentirosos" foi um livro 3 estrelas que me deixou com uma sensação de estar lendo um livro de 2 estrelas. O hype "genial" que criaram a cerca da história basicamente matou qualquer sentimento que eu poderia ter com ele. Como eu já disse antes: É um bom livro. Mas, da forma como ele foi vendido, eu esperava mais. Muito mais. Eu terminei o romance acreditando que, se a autora tivesse se atido apenas aos acontecimentos do "Verão dos Quinze", talvez eu tivesse me apaixonado pela história. Talvez, se ela não tivesse sentindo a necessidade de ser "oh, diferente", "Mentirosos" teria funcionado comigo. Talvez, se você não tiver assistido ao filme supracitado, ele realmente te surpreenda. Talvez você vá achar ele realmente incrível. Mas comigo ele não funcionou nem um pouco. E acredito que com qualquer pessoa habituada com este tipo de história (em que você pensa: Isto parece uma ideia de M. Night Shyamalan), ela também não funcione.
.
.
Sobre a autora:
.
E. Lockhart nasceu em Nova York e fez doutorado em literatura inglesa na Universidade Columbia. Deu aulas de redação, literatura e escrita criativa. Dela, a Seguinte publicou "O Histórico Infame de Frank Landau-Banks" (2013), que recebeu o prêmio de Livro de Honra do Printz Award.
.
TÍTULO: Mentirosos
TÍTULO ORIGINAL: We Were Liars
PÁGINAS: 272
AUTOR(A): E. Lockhart
EDITORA: Seguinte
NOTA: 3 Estrelas

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...