domingo, 22 de fevereiro de 2015

Resenha: Transcendence

.
''Na Minha Estante'' Assegura: A resenha a seguir está completamente livre de Spoilers... Leia sem Moderação e divirta-se!
.
Sinopse:
.
Dizem que as mulheres e os homens são de dois planetas diferentes quando se trata de comunicação, mas como eles podem superar os obstáculos de tempos pré-históricos, quando um deles simplesmente não têm a capacidade de compreender a linguagem? Ehd é um homem das cavernas vivendo por conta própria em um deserto áspero. Ele é forte e inteligente, mas completamente sozinho. Quando ele encontra uma bela jovem em sua armadilha, é óbvio para ele que ela é para ser sua companheira. Ele não sabe de onde ela veio; ela está vestindo alguma roupa muito estranha e ela faz um monte de barulhos com a boca, que lhe dão uma dor de cabeça. Ainda assim, ele está determinado a cumprir o seu propósito na vida – sustentá-la, protegê-la e colocar um bebê dentro dela.
.
Elizabeth não sabe onde ela está ou exatamente como ela chegou lá. Ela está confusa e angustiada pela sua situação e há um homem das cavernas puxando-a de volta à caverna dele. Ela não está de toda interessada nos avanços primitivos de Ehd e ela simplesmente não consegue fazer com que ele ouça. Não importa o quanto ela tente, tentando fazer seu ponto de vista a este primitivo, mas bonito, homem em uma constante – e muitas vezes hilariante – luta.
.
Com apenas um ao outro para companhia, eles devem confiar um no outro para lutar contra os perigos da vida selvagem e se preparar para os meses de inverno. Enquanto eles lutam para coexistir, isso se torna uma história de amor que transcende a linguagem e tempo.
.
O que eu achei?
.
Falar sobre "Transcendence" vai ser uma tarefa complicada, pois - mesmo gostando muito de tudo nele - foi um livro bastante difícil de se classificar. Como eu disse no instagram, a melhor forma que eu poderia explicar toda a narrativa de Shay Savage é que é "Bizarramente adorável". Pois esta é uma característica que já podemos perceber pela sinopse - onde uma rapaz da pré-história sem tribo (que, segundo a autora, ele não é um Neandertal e sim um Homo Savage, sua própria variação para o Homem de Cro-Magnon - e sim, reparei no trocadilho com o sobrenome dela) acaba encontrando sem querer uma jovem muito estranha... Que na verdade é uma viajante do tempo, que acabou caindo naquela era completamente sem querer. Sim, por alto, tudo é muito nonsense. Mas como livro? Inesperadamente funciona.
.
Obviamente, ele é um romance... Mas completamente diferente de tudo o que temos por aí. Talvez, o maior norte de comparação seja com a série "Outlander", de Diana Gabaldon. Mas, mesmo assim, é um livro com suas próprias particularidades e encantos. Para começar, nós vemos tudo pelo ponto de vista de Ehd, o jovem Homo Savage. O que significa que, coisas simples em qualquer outra história, ganha ares de magia diante dos olhos curiosos e inocentes do rapaz. Ele não sabe se comunicar com Elizabeth, não entende os sons que ela faz, e acredita na verdade que é uma garota que se perdeu da sua tribo. Isto faz com que o livro quase não possua diálogos, já que os personagens precisam se comunicar através de expressões e gestos, o que dá um toque único para "Transcendence".
.
E mesmo sendo uma narrativa extremamente simples, e - acima de tudo - uma história extremamente simples, a autora consegue dar uma complexidade tão grande no relacionamento dos dois, e uma profundidade tão incrível para os seus personagens, que não tem como não se apaixonar. Não, eu não li o livro em uma sentada (apesar de eu achar que poderia sim ter feito isto), mas ele é tão diferente de tudo que em nenhum momento achei ele chato ou parado.
.
Quero dizer, acho que minha única "reclamação" é quando os dois começam a se relacionar mais intimamente. Sim, as coisas não acontecem em um passe de mágica, e tudo leva o seu tempo... Um tempo longo, o que é o melhor. Mas, quando os dois ganham a confiança um do outro e nós descobrimos o carinho que um sente pelo outro, bem, eles praticamente não se largam por um minuto sequer. Tudo bem, em defesa de Shay Savage, eu tenho consciência de que Ehd e Beh (como ele chama a garota, já que tem dificuldade em pronunciar as palavras) são dois jovens descobrindo a sua sexualidade e se descobrindo, o que explicaria tudo - mas o meu lado "chato" achava que poderia ser menos. Só um pouco menos.
.
Enfim, "Transcedence" pode não ter se tornado um Bookcrush, mas chegou perto disto. A autora soube me conduzir através das páginas, me convenceu do relacionamento possível de uma mulher moderna com um quase homem de Cro-Magnon, e - acima de tudo - me fez comprar a sua história. Ele é um romance, sim, mas ele também é diferente - mesmo seguindo um caminho bastante linear e sem muitas surpresas. O diferencial está no ambiente, nos personagens, na situação. E isto, por si só, é um fôlego tão bem vindo que já me faz ficar maravilhado com o volume.
.
.
Sobre a autora:
.
Shay Savage vive em Cincinnati, Ohio, com sua família e uma variedade de animais domésticos. Ela é uma oradora púplica realizada, e detém a patente de Toastmaster Distinguished da Toastmasters International. Quando não está escrevendo, ela gosta de filmes de ficção científica,  com máscaras de zumbi, além de ser uma GRANDE fã de Star Wars, membro da 501st Legião de Stormtroopers. Quando a diversão nerd se esgota, ela também gosta de futebol em todas e quaisquer formas - especialmente o Columbus Crew, Arsenal e Bayern de Munique. Savage é formado em psicologia, e ela traz um monte do que aprendeu sobre nos personagens dentro de suas histórias.
.
TÍTULO: Transcendence
PÁGINAS: 312
AUTOR(A): Shay Savage
EDITORA: CreateSpace
NOTA: 4 Estrelas

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...