terça-feira, 13 de setembro de 2011

Especial: XV Bienal do Livro - Parte 2

.
E como toda história contada em duas partes, a segunda é sempre melhor... Ou quase isto. Eu, na verdade, ainda não estou em condições de avaliar muito bem como foi o meu último dia de participação na ''Bienal do Livro'' - até por que ele teve os seus altos e baixos. Eu e todo o grupo (composto mais uma vez pela Evellyn, pela Vivi, a Nath Souza, a Lisse Cunha e duas participações especiais - no melhor estilo ''Here We Go Again'') já sabíamos que teríamos um sábado difícil, repleto de correria, longas filas e muita espera. Só que alguns destes sacrifícios valeram muito a pena. Outros, er... nem tanto.
.
Para começar logo este nosso novo relato, nós chegamos no Riocentro umas 09:00 horas da manhã, e a fila para entrar no pavilhão já era considerável. Cansados pela viagem (e com muita fome), decidimos fugir um pouco daquela concentração, descansar e esperar a fila esvaziar. Já adianto que não deu muito certo. O dia de ontem já estava começando a mostrar que seria bastante movimentado (Para não falar ''Uma Muvuca Completa''), então decidimos esperar próximos ao Portão Principal. Chegando lá, mais uma vez encontramos as blogueiras Ana Paula e Danni Fuller, e começamos a contagem regressiva para o início do evento.
.
Na entrada do Riocentro, no estilo ''Here We Go Again''...
.
Quando o relógio deu 10:00 horas, foi o inferno na Terra. Como eu e a Vivi já tínhamos os nossos ingressos, fomos diretos para a entrada enquanto as meninas iam para a fila da bilheteria. Só que, quando eu passei pela catraca (o que é uma figura de linguagem, já elas não existem na verdade, é só um funcionário parado para invalidar o seu ticket), eu vi que o dia seria longo. Nem tinha dado uns cinco passos, e fui quase derrubado por três pessoas ensandecidas, que corriam à toda na direção do stand da Galera, em busca das senhas para a sessão de autógrafos da Lauren Kate. Como não tenho sangue de barata, e não queria ver aquele povo mal educado chegar na minha frente, acabei jogando toda a minha dignidade para o alto e correndo também - e, no meio do trajeto, ainda esbarrei mais uma vez na Ana Paula.
.
Ao entrarmos no pavilhão Azul, os seguranças informavam que tínhamos que pegar um caminho diferente para chegar ao estande da Galera e pegarmos a senha - e, mesmo com eles anunciando para todo mundo que a sessão de autógrafos seria de alguém supostamente chamado ''LaurA Kate'', eu (assim como, tenho certeza, os demais) engoli qualquer comentário maldoso que isto poderia resultar e fui para o meu destino. Como fui o primeiro do grupo à pegar as senhas - e, provavelmente, um dos 50 primeiros - tive que esperar todo mundo chegar por um tempinho. Mas, no fim, meio que valeu a pena - já que a Lisse conseguiu se encontrar com a Babi Lorentz (que veio de São Paulo só para participar da Bienal), e ainda tivemos tempo também de tirarmos uma foto com a Juh Oliveto, do ''Livros e Bolinhos''.
.
Se você não tiver um olho biônico, quem está no começo da fila sou eu e a Ana Paula
.
Na saída do Stand, com a Baibi Lorentz e a Juh Oliveto
.
Por mais incrível que pareça, depois de toda esta agitação, a nossa manhã foi bastante calma. O Riocentro estava parecendo um formigueiro, sim - eu não nego, mas tivemos bastante tempo para olhar os stands, pegar mais marcadores e livretos, tirar fotos nos pavilhões, e etc e tal. Como eu estava focado mais na programação do que nos livros em exposições, o dia 10 acabou que foi o dia em que eu comprei menos (o que não significou muito, levando-se em conta tudo o que eu levei para casa no final de semana passado). Mas isto não impediu em nada as meninas, principalmente a Nath Souza (que sempre me reconforta, quando acho que estou comprando demais... Rsrs).
.
Não se engane com a foto... Eu trouxe os livros que estão na sacola de casa!
.
Quando decidimos almoçar, acho que já era 1 hora da tarde. Fomos para o lado de fora, já que - durante a semana - nós havíamos decidido que faríamos um piquenique à lá ''Central Park'' (ou uma farofada ao estilo ''Piscinão de Ramos'') no gramado do Riocentro. Esta foi uma das partes mais divertidas do dia 10. Estendemos uma toalha, nos sentamos na grama, tivemos que mudar de lugar devido ao ''agradável'' odor do banheiro masculino que o vento levava até nós... Um momento memorável.
.
Foto do nosso ''Piquenique Frustrado de Inverno'' Rsrs
.
Depois da nossa pausa para a cesta, voltamos para o Pavilhão Azul - mas precisamente, ao stand da Novo Século. A Evellyn e a Nath tinham sido chamadas para um encontro exclusivo com a Jessica Brody - autora do romance ''Karma Club'' - e como a Vivi também ia participar da sessão de autógrafos, eu decidi esperá-las no stand sem entrar realmente na fila (já que a única coisa que eu tinha do livro era um livreto... e eu não ia chegar com um livreto para a mulher autografar!). As meninas ficaram meia-hora em uma sala reservada junto com a Jessica, e logo depois da ''coletiva'', elas sairam junto com a autora para a sessão. Apesar de não haver senhas, o encontro foi bastante organizado. Como a Vivi era uma das primeiras, ela logo foi atendida. A Jessica foi simpática com todos e, sempre sorridente, se atrevia até em colocar um ''Obrigado'' em puro português em suas dedicatórias. Me arrependi amargamente de não ter comprado um ''Karma Club'' para mim - mas aquela não era hora de chorar sobre o leite derramado.
.
Vivi e a Jessica Brody, autora de Karma Club
.
Depois do tempo que passamos no stand da Novo Século, nosso grupo teve que se dividir. Eu, a Evellyn e a Nath queríamos ir para a sessão de autógrafos da Rachel Caine, mas a Vivi queria ir logo para a fila da Paula Pimenta - que eu também iria. Então, enquanto nós três seguíamos na direção do Pavilhão Laranja, a Vivi foi para o Pavilhão Verde guardar o nosso lugar. Ao chegar no stand da Underworld, vi que o esquema para o encontro com a Rachel Caine era o mesmo com o da Jessica Brody: sem senhas. E assim como no da Jessica, não tivemos problema nenhum por causa disto. Todos respeitavam a fila, e a Rachel era sempre fofa e querida! Acho que o meu encontro com ela foi um dos mais engraçados que eu já tive em toda a minha vida... Eu até hoje não sei bem o que aconteceu, mas quando eu me vi de frente com ela, comecei a suar tanto que parecia que eu tinha tomado um banho de chuva. Demonstrando uma simpatia sem limite, a Rachel tentou me acalmar de todas as maneiras possíveis, até perguntou que se ela desenhassse algo só para mim na minha dedicatória, eu me acalmaria. Quando eu disse que sim, ela fez, e eu realmente me acalmei! o.O' (Ps: Depois que eu pesquisei o significado do desenho que ela fez para mim na mitologia da série ''Agentes do Tempo'', eu me encantei ainda mais pela pessoa da Rachel Caine! *-*).
.
 Uma foto da Rachel tentando me acalmar... Rsrsr
.
E a Minha foto com a Rachel Caine, a Rainha das Escritoras Fofas
.
Saindo da Underworld, nós fomos direto para o Pavilhão Verde. Só que, quando chegamos ao stand da Gutenberg e encontramos a Vivi, a fila para a sessão de autógrafos da Paula Pimenta estava gigantesca. A minha maior preocupação era que, como a espera para falar com a autora de ''Fazendo Meu Filme'' estava mais lenta do que o esperado, nós acábassemos nos atrasando para a sessão de autógrafos da Lauren Kate no stand da Galera - que tinha começado às 14 horas. E já eram 17 hrs da tarde. Para completar nossa aflição, todos os que passavam pela gente - vindos do outro encontro - diziam que os organizadores estavam tentando agilizar o evento da autora de ''Fallen'' de todas as formas possíveis, e esperavam que a fila acabesse antes das 19 hrs.
.
Foi então que eu, a Evellyn e a Nath tivemos que tomar uma decisão... Ou continuávamos na fila da Paula Pimenta e deixávamos de lado o autógrafo da Lauren Kate, ou fazíamos ao contrário. Qualquer que fosse a minha escolha, eu já me sentia péssimo só por ter que preterir um encontro ao outro. A Vivi, que decidiu continuar no stand da Gutenberg, falou que - se eu quisesse - ela poderia levar o meu livro ''Fazendo o Meu Filme 3'' para que a Paula Pimenta autografasse, assim (caso a fila da Lauren Kate demorasse muito) eu pelo menos teria a assinatura. Mesmo sentindo o meu coração pesado por abandonar a fila, eu continuei com o plano e corri para o stand da Galera o mais rápido possível.
.
Evellyn, eu e a Nath já na fila para a Lauren Kate
.
Ao chegar lá, no Pavilhão Azul, realmente a fila já estava acabando. Grupos de quatro entravam na sala para o encontro com a Lauren Kate, e em menos de uma hora a sessão de autógrafos acabaria. Mesmo me divertindo bastante na fila, eu ainda me ressentia por estar perdendo o outro evento. Em 20 minutos (mais ou menos isto), a fila andou que era uma beleza e enfim chegava à nossa vez. Antes de entrar na sala, uma série de restrições era passado para a gente. Basicamente, o plano da Galera era: Foto, assinatura e tchau... Com o mínimo de interação possível. E foi exatamente assim que foi. Quando a mennina que entrou com a gente (e que nós conhecemos durante a fila) tentou só comprimentar a autora com um único beijo, só faltou a equipe do stand chamar um grupo da Swat para separar as duas e tirar logo a foto. Eu sabia que eles estavam tentando não repetir os mesmos erros de organização que eles cometeram com o encontro com a Meg Cabot, na edição passada, mas aquela superproteção toda estava beirando o ridículo. Mesmo com as barreiras impostas, a Lauren era simpática com todos (dentro dos limites da Galera, é claro), e ela realmante parecia ter saído de dentro de um livro, de tão bonita e perfeita que estava...
.
Se não fosse pela Vivi, e sua câmera acionada no Módulo Paparazzi...
.
... esta seria a minha foto mais ''próxima'' com a Lauren Kate
.
Na saída da sala, nós ganhamos uma tatuagem da série, uma caneca de ''Fallen'' e dois marcadores. Eu estava muito feliz por ter conhecido a Lauren, mas bastante irritado com a Galera. Minha sensação era de estar vivendo um sonho e um pesadelo ao mesmo tempo. Eles tentaram tanto seguir os procedimentos que o que poderia ter sido um momento mágico, acabou se tornando metódico, mecânico e um pouco frio (e essa sensação cresceu ainda mais em mim quando eu descobri que o encontro com a Lauren em São Paulo foi totalmente o oposto, com direito a fotos individuais e momentos mais intimistas). Se não fosse pela própria autora e (é claro) pela caneca, eu me sentiria um lixo - o que chegou bem perto.
.
Flagra da Evellyn do meu momento de ''A Decepção Me Define...'' Rsrs
.
O que começou como um dia ensolardo, aos poucos, estava se tornando um tanto nublado. A Vivi, que só esperou a gente sair do stand da Galera para avisar que já estava indo embora, me entregou o meu livro da Paula Pimenta e disse que o encontro com ela ainda continuava no Pavilhão Verde. Eu ainda estava meio decepcionado com o esquema da Galera, mas fui direto para o stand da Gutenberg junto com a Evellyn e a Nath Souza. A fila para a sessão de autógrafos já tinha diminuído considerávelmente, e a minha intenção inicial era só de tirar uma foto com a Paula, já que o meu livro já tinha sido autografado. Só que eu não me segurei, e acabei indo comprar o ''Minha Vida Fora de Série'', que estava sendo lançado.
.
Quando fui pagar o meu livro, o pessoal do stand me avisou que a editora já tinha contado o pessoal que estava na fila e que a sessão acabaria na menina que estava na noss frente - já que a Paula estava autografando desde às 16 horas da tarde (já eram mais de 19:30 hrs), e ela estava bastante cansada. Não conseguindo entender o meu ''Karma'' (Jessica Brody Feelings). Eu voltei para a fila desolado. As meninas falaram para que eu não me preocupasse, e que tentaríamos conversar com a Paula Pimenta sobre a nossa situação. Até o pessoal da fila se sensibilizou e comprou a nossa causa. Quando um dos funcionários veio falar conosco mais uma vez, eu já estava a ponto de usar a carinha do Gato de Botas do ''Shrek''. Só que, no fim, eu não precisei apelar para isto... Nós éramos realmente os últimos, então acabaram deixando que continuássemos.
.
Depois de alguns minutos, nós conseguimos falar com a Paula. Ela foi super fofa e simpática, mesmo estando visivelmente cansada. Enquanto conversava comigo, ela se lembrou que a Vivi já tinha levado o meu livro para ela autografar, e eu expliquei que eu não sabia se conseguiria chegar a tempo de tirar uma foto com ela. No fim, foi até melhor, já que - além das fotos e do meu ''Fazendo Meu Filme'' autografado - eu comprei o ''Minha Vida Fora de Série'' e ainda ganhei marcadores e um bottom.
.
A Paula Pimenta autografava os seus livros com canetas da mesma cor que as capas! *-*
.
Nós dois posando com o ''Minha Vida Fora de Série''
.
Com o fim do nosso encontro com a Paula Pimenta, chegava também ao fim a minha participação na XV Bienla do Livro do Rio de Janeiro. Mesmo com os seus muitos pontos altos, e um detalhe ou outro que poderiam muito bem terem sido evitados, esta edição com certeza vai se tornar inesquecível para mim. Conheci MUITA gente legal, fui acompanhado por pessoas maravilhosas e voltei para casa não só com uma montanha de livros, marcadores, livretos e bottons... Mas com novas experiências que faram toda a diferença em minha vida. Muito obrigado a todo mundo que me acompanhou nesta viagem, e muito obrigado também a todos que fizeram desta edição um sucesso. Foram três dias hipercansativos e corridos, mas que eu repetiria sem pensar duas vezes.
.
Meu saldo final...
.
Agora que o evento foi oficialmente encerrado, é meio difícil voltar ao normal... Mas este não é  o fim! Em 2013, novas aventuras e encontros irão nos esperar, e com certeza eu vou contar os dias para a XVI edição. Enfim, obrigado à todos que acompanharam a cobertura da Feira aqui pelo blog, e tudo o que eu tenho para dizer agora é:
.
Até o dia 05 de setembro 2013!

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...