domingo, 26 de dezembro de 2010

Resenha: Simplesmente Poético

''Na Minha Estante'' adverte: A resenha a seguir pode conter Spoilers ocasionais da trama abordada... Não que vá interferir em alguma coisa, mas é só para não falarem que eu não avisei!
.
Sinopse:
.
Quando chega o inverno, Grace é atraída pela presença familiar dos lobos que vivem no bosque atrás de sua casa. Ela espera ansiosamente pelo frio desde que fitou pela primeira vez os profundos olhos amarelos de um dos lobos e sobreviveu ao ataque de uma alcatéia. Esses mesmos olhos brilhantes ela encontraria mais tarde em Sam, um rapaz que cresceu vivendo duas vidas: uma normal, sob o sol, e outra no inverno, quando vestia a pele do animal feroz que, certa vez, encontrou aquela garota sem medo.
.
Tudo o que Sam deseja é que Grace o reconheça em sua forma humana, e para isso bastaria que trocassem um único olhar. Mas o tempo de Sam está acabando. Ele não sabe até quando manterá a dupla aparência e quando se tornará um lobo para sempre. Enquanto buscam uma maneira para torná-lo humano para sempre, têm de enfrentar a incompreensão da cidade, que vê nos lobos um perigo a ser combatido.
.
Primeiro livro da série Wolves of Mercy Falls, Calafrio é a história de dois jovens que aceitam correr todos os riscos pelo amor, até mesmo o de deixarem de ser quem são.
.
O que eu achei?
.
Eu já estava com esta resenha pendente à séculos, mas só agora - no fim do ano - resolvi ''honrar'' uma das minhas primeiras leituras de 2010 com um post só para ela. Na verdade, o que me fez lembrar da minha leitura de ''Calafrio'' foi justamente esta época de Natal pela qual estamos passando.
.
Não, a história nada tem a ver com o nascimento de Jesus ou a lenda do Papai Noel, mas sim pelo sentimento que ela nos traz durante a sua leitura. Pois, assim como o dia 25 de dezembro, ''Calafrio'' nos remete à coisas simples e belas que não damos valor, misturando poesia e fantasia em um único ingrediente - o que se torna primordial, e o principal diferencial, na trama.
.
Confesso que o que me levou a ler ''Calafrio'' foi o fato de se tratar sobre Lobisomens. Nunca havia lido um livro exclusivo sobre eles, e estava bastante curioso sobre como Maggie Stiefvater iria tratar os seus seres. Nem preciso dizer que, no final, o volume não só me surpreendeu como também superou todas as minhas expectativas.
.
''Calafrio'' é mais que um romance para jovens adultos... É um livro rico em detalhes, onde os protagonistas e seus destinos são mais importantes do que a ação do ''fantástico''. Falando em fantasia, uma coisa que adorei na trama foi a abordagem totalmente diferente e inovadora que Maggie dá aos seus lobos - que não se transformam na lua cheia, nem quando querem, mas sim no inverno.
.
E o Inverno é o Grande & Verdadeiro vilão da história - sendo ele quem me conquistou em primeiro lugar.
.
A escrita de Stiefvater é doce e envolvente. Cada frase parecer ter saído de um poema, de uma canção de amor antiga, que nos faz ficar dançando sozinho pelo quarto e que nos faz chorar e nos sentirmos tristes ou felizes nos momentos certos. E juntando à tudo isto personagens carismáticos, uma cidadezinha pequena e uma história de amor - e dor - que nos prende até a sua última página (literalmente), ''Calafrio'' se tornou - para mim - um dos melhores lançamentos nacionais deste ano.
.
O Ponto Alto
.
Ao contrário de alguns livros por aí - sim, estou falando ''daquela'' série - Calafrio me marcou. Me marcou tanto que não consigo distinguir um ÚNICO ponto alto da história. Tudo parece estar tão interligado, tão irraigado, que não sei nem por onde começar. Então, para não ser injusto com as outras cenas, eu escolho o primeiro ''clímax'' da história: A Caçada, com toda a sua sequência, desde Grace descobrindo os planos do Sr. Culpeper de matar os lobos de Mercy Falls até o momento em que ela encontra Sam em sua forma de rapaz, nu e ensanguentado, na varanda de sua casa. São cenas de que nos dão uma sensação de urgência e medo pelos personagens, e que ainda assim consegue manter o padrão poético do livro.
.
Momento Desnecessário
.
Foi difícil encontrar um ''Momento Desnecessário'' em Calafrio, mas como sabemos que nada na vida é perfeito...
.
Por isso escolho a cena após a 1ª vez dos protagonistas. O momento anterior havia sido tão belo e adorável, que a reação do Sam no dia seguinte foi meio que ridícula, com comentários do tipo ''sou um ano mais velho, abusei de você...'' que cortaram todo o clima formado.
.
Ainda bem que a Grace estava lá para fazer ''graça'' aos dilemas ridículos dele (piadinha #FAIL).
.
Quem me conquistou?
.
Sam e Grace, pelo relacionamento impossível deles, o senso de realidade dos dois, a racionalidade dela e o mundo de sonho dele. Os pais de Grace, por serem eternos adolescentes, mesmo que com isto machuque a Grace. Isabel Culpeper, por seu jeito mimado e impossível, mas que no fim se revela adorável. Jack Culpeper, um verdadeiro playboy valentão, que - mesmo no fim - não muda a sua personalidade... Somos nós que aprendemos a ignorá-la. Olívia e suas inseparáveis fotos. Beck, o guardião de Sam, que mesmo revelando seus segredos mais obscuros, não nos faz odiá-lo. Ulrik, com sua força e seu sotaque. Enfim... tantos personagens - cada um com sua característica, não importa se boa ou ruim, mas que nos fazem ler página atrás de página só para que, quando virarmos a última, nos faça sentir uma tremenda saudade de cada um em especial.
.
Quem eu odiei?
.
Calafrio foi um dos poucos livros em que eu gostei de praticamente todos os personagens - incluindo aqueles que eu deveria odiar. Mas uma conseguiu ser a exceção. Qual seu nome? Shelby, a menina loba. E por quê? Bom, tudo bem que ela tem TODOS os motivos do mundo para ser ''revoltadinha''... Mas, qual é, isto não é desculpa para ser incoveniente, cabeça-dura e chata!
.
A Capa
.
A princípio, confesso que fiz birra com a capa... Eu queria a versão americana (que é linda), e a editora não tinha feito a minha vontade. Porém, quando o livro chegou aqui em casa e o vi ao vivo, a minha opinião mudou. A arte da capa representa EXATAMENTE o que Calafrio é: Simples, desprentencioso e belo. O lobo negro contra a neve dá um ''Q'' de mistério à ela, e - mesmo sendo completamente diferente - ela usa dos mesmos elementos da capa internacional, conseguindo ser original. São por estes motivos que dou para a turma da editora Agir ''Cinco Meninos-Lobos salvando Cinco Garotas Humanas do Meio da Neve''.
.
Minha Playlist
.
Música: As Quatro Estações (Acústico) - Artista: Sandy & Marcelo Camello
.
Esta versão do hit ''As Quatro Estações'' é tão melancólica, a sua melodia se tornou tão poética, que é quase impossível que - depois de você ler o livro - não venha se lembrar de Grace e Sam ao escutá-la. Ela representa exatamente o mesmo clima que o livro nos proporciona: A passagem do tempo, o poder da natureza sobre nós e a indescritível vontade de viver um amor épico e puro (em todos os seus sentidos).
.
TÍTULO: Calafrio
TÍTULO ORIGINAL: Shiver
AUTOR(A): Maggie Stiefvater
EDITORA: Agir
NOTA: 9,5

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...